26/01/2017
Imagem de ilustração do artigo Startup-se grande empresa

Startup-se grande empresa

Ser uma grande empresa é o objetivo de qualquer startup que esteja se lançando ao mercado, seja ela a solucionadora de um problema de relacionamento entre casais ou aquela que irá revolucionar o mercado de serviços bancários. O sonho é ser grande! É poder dar escala e monetizar a ideia de produto e negócio! É estabelecer um modelo de crescimento sustentável! É ampliar os investimentos em marketing! É ter budget para o setor de P&D! É ter as facilidades que uma grande corporação tem, e que não são poucas.

Mas vejo também um movimento contrário, e necessário, no qual as grandes empresas começam a buscar meios para acelerar seus movimentos estratégicos de mudança, tendo em vista que se movimentam como uma tartaruga e mudam à passos lentos e pesados, pois, afinal de contas, tem um modelo de negócio para manter que depende de uma ampla infraestrutura. Setores e mais setores. Centenas de milhares de pessoas. Várias sedes, algumas em outros países. Canais de distribuição já definidos. Produtos estabelecidos. Faturamento constante. Hierarquização exageradamente vertical. Tomadas de decisão difíceis e envolvendo muitas pessoas e análises preliminares.

E não poderia ser diferente disso, pois à medida que se cresce, aumenta a complexidade do negócio e o inflar estruturalmente se faz necessário. Contudo não podemos esquecer que vivemos em um mundo diferente, pautado por rápidas, drásticas e constantes mudanças e que o atual modelo de negócios pode deixar de ser relevante em uma fração de meses. Mas, a grande empresa se movimenta como uma tartaruga e muda à passos lentos e pesados, não é mesmo? Sim, é verdade! Porém, existe uma maneira de adquirir velocidade e criar o futuro com base no que é relevante para a sociedade: startup-se grande empresa!

Quando falo startup-se grande empresa, não me refiro ao desenvolvimento de novas soluções e negócios em parceria com startups. Sim, isto é importante. Pode e deve ser feito, já que a colaboração traz excelentes resultados. Me refiro sim, a fomentar a inovação interna e criar projetos para o futuro e que possam se tornar uma nova startup com algo para revolucionar o mercado. Desenvolver novas ideias ao ponto delas se tornarem um novo modelo de negócio, uma startup que pertence a uma grande empresa e que realize algo fora do core business tradicional.

Efetivamente, construir o futuro de forma desvinculada à estrutura da grande empresa mas com os benefícios vinculados a ela: capacidade de investimento, escala, capital humano e parte daquilo já mencionado no início deste post. Isso significa que o caminho menos doloroso para a grande é desmembrar-se para aproveitar o melhor dos dois mundos: a agilidade dos pequenos e a fartura de recursos dos grandes e já estabelecidos.

Startup-se grande empresa!

Até a próxima reflexão inovadora!

Sérgio Gualdi Ferreira da Silva Filho é fundador da Innomotion Design & Inovação. Administrador de empresas e especialista em marketing e inovação. Também é professor e autor da Metodologia para Implementação de Inovações no Ambiente das Micro e Pequenas Empresas.

 

Este artigo não possuí comentários. Seja o(a) primeiro(a) a comentar!

Digite seu comentário